A saudade

Segurei o máximo que pude. Os olhos embotados de lágrimas há horas. Mas segurei. Rever as paredes que me acolheram foi doloroso. Mas segurei. O sofá me acariciando. Mas segurei. O cheiro de poliflor no chão me lembra um perfume bom. Mas eu segurei. Abri a porta da lavanderia. Olhei para a minha bicicleta. Encostado num canto. Empoeirada. Triste, triste. Os pneus arriados. A corrente solta. Não aguentei mais. Chorei. Choro. Chorarei.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em cara estranho

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s